Arquivo da tag: carro

A PRIMEIRA VIAGEM DO FRANCISCO

aconteceu aos seus onze meses de idade. Planejamos que ele passaria seu primeiro aniversário em São Paulo, onde mora minha família e boa parte dxs amigxs.

Há muito o que relatar sobre a experiência da viagem; neste post, vou me concentrar nos trajetos de avião.

Muitxs bebês pegam avião bem antes dos onze meses. Pelo que vi, as companhias aéreas xs aceitam a partir dos 14 dias de idade. A gente preferiu esperar o Francisco estar mais crescidinho; afinal, trata-se de um voo longo, aproximadamente 12 horas. Antes disso, fizemos apenas passeios, seja de transporte público ou carro: por mais que a gente se distanciasse, não passávamos a noite fora de casa.

Pode parecer excesso de prudência, confesso. Preferimos assim. Nos feriados e fins de semana, a gente saía para andar num parque, conhecer uma cidade, visitar pessoas. Mas nada que nos sobrecarregasse. Até porque, nos primeiros meses, o Francisco não gostava do carro. Abria o berreiro, reclamava à beça. Foi uma boa razão para evitar trajetos longos. Aos poucos, foi se acostumando, entendendo melhor e até se divertindo com o carro.

ovonovo_19_set_2

Falando do avião: pegamos um voo durante o dia, o que foi um ponto negativo para nós. O Francisco se entediou depois de algumas horas — ele não tem costume de assistir tevê, por isso nem se concentrou na telinha; como também não andava, precisava ficar no nosso colo (não achamos legal a ideia de engatinhar nos corredores); queria interagir com as pessoas ao redor, que nem sempre são receptivas…  estressou-se e dormiu pouquíssimo ao longo das 12 horas. Já no voo de volta, de madrugada, a situação foi diferente. Dormiu razoável, no meu colo. Nesse sentido, acho que viajar com a idade que ele tinha, 11 meses, foi uma escolha não tão feliz: isso porque um bebê menor dá menos atenção à mudança de ambiente e dorme bem mais tempo durante o dia; por outro lado, um bebê maior já caminha sozinho, consegue brincar mais e fica menos entediado — será?

Imagine que um dos seus grandes divertimentos durante o voo era ir ao banheiro! Ainda bem que escolhemos assentos no fundo da aeronave, o que facilitava o acesso.

Além de fraldas, trocas de roupa e brinquedos, levamos na bagagem de mão algumas frutas, frescas e secas. Os snacks oferecidos normalmente são quase sempre baboseirinhas, tipo barra de cereal, bala ou chocolate. Amamentei muito, seja nas decolagens e aterrissagens, como durante o voo. Felizmente, o Francisco não sofreu com a mudança de pressão nos ouvidos, como pode acontecer.

Já li todo tipo de relato de viagem de mães e pais com filhos pequenos: tem quem se vire numa boa, tem quem enfrente dificuldades (esse aqui pode interessar, mas recomendo também pesquisar no google com “viajar de avião com bebê”). Não sei se eu daria conta de viajar sozinha com o Francisco, ao menos nesses primeiros anos. Fiquei muito cansada tanto na ida como na volta.

Em próximos posts continuo, escrevendo sobre hospedar-se, comer fora, etc. etc.

Anúncios

DIRIGINDO UM JIPE

eu chegava num lugar cheio de subidas e árvores, uma região de serra. Lá, ia encontrar alguns amigos. Estava sozinha e precisava arranjar um lugar para estacionar. O terreno era difícil, circulei muito, de um lado para outro, procurando uma vaga. Pessoas esperavam, em fila, alguma coisa que eu não sei. Quando estacionei, o jipe virou uma maleta preta, muito bonita e prática. Uma moça estava por perto; disse a ela: – Você tome cuidado com essa maleta, ela é o meu carro. A moça ficou surpresa, começou a examinar a maleta, achando fabuloso que isso fosse possível.
Foi quando eu também percebi que meu jipe tinha algo que dificilmente outros teriam – e acordei.

ERA UM CARRO

de modelo novo, fabricado por um grupo de estudantes de engenharia veganos. Eles me oferecem um, para testar; digo que não sou vegana; eles querem justamente conquistar outros públicos. Aceito dirigir o carro, de cor marrom, meio jipe, meio lada. Coloco na minha vaga do prédio, os vizinhos estranham o visual. Pergunto aos moços veganos como foi fabricado, que combustível aceita.  Só sabem dizer o preço: muito mais caro do que eu imaginava.

Então vamos todos a uma lanchonete vegana na rua da Consolação, as comidinhas são muito boas. Os veganos concordam que é melhor não ter carro por enquanto.