UMA MUDANÇA NA ALIMENTAÇÃO

começou aqui em casa, em fevereiro. Ao mesmo tempo em que o Francisco completou seis meses e foi experimentando as primeiras frutas e legumes, eu dei início a um tratamento que exclui açúcar, trigo e laticínios do cardápio.

Assim, somos nós dois a aprender a comer. Pelas minhas leituras, parece comum esse tipo de situação: mães e pais tomam a introdução alimentar dxs filhxs como uma oportunidade para comer com mais consciência, cozinhar melhor e de maneira mais saudável.

image

Por que essa minha restrição? Observando meu histórico de saúde e fazendo alguns controles, cheguei ao seguinte resultado: metabolismo muito baixo e, principalmente, sistema imunológico bem fraquinho. Tanto uma coisa como outra são consequência de uma série de fatores. De toda forma pode-se dizer que a alimentação desempenha um papel muito importante nesse jogo. Açúcar, glúten e proteína de leite de vaca seriam agentes que me levaram à situação em que me encontro.

Já faz uns anos que conheço, mesmo que superficialmente, o trabalho de Sonia Hirsch e seus livros. Sabia que deveria mudar minha alimentação para melhorar a saúde e o espírito. Ter me tornado mãe está me dando essa chance.

Para a minha saúde, tenho sentido os efeitos dessa mudança — não só no corpo mas também na disposição e no humor. De alguma forma os doces agiam sobre minha ansiedade. Comer também se relaciona muito com nossos afetos e lembranças. Da mesma forma, age como elemento de socialização. Todos ao redor estão tomando um delicioso café com bolos, croissants e geléias, cheio de cores e cheiros… enquanto eu estou comendo pêra, ameixa e banana. O que isso interfere na nossa comunicação?

Isso tudo me faz repensar as relações com as pessoas, com a natureza e até mesmo com o dinheiro. Qual o custo dos orgânicos, em confronto aos industrializados, por exemplo?

Esses meses tem sido bons e cansativos. A rotina mudou bastante. Antes, era rápido matar a fome com um sanduíche de queijo, um biscoito integral. Agora, precisamos ir atrás de frutas frescas, cozinhar os legumes, preparar arroz… No fim das contas, é tudo uma questão de hábito. Mas está aí o ponto: mudar um hábito às vezes é o principal desafio.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s