EU NÃO SEI COMER

acho que nunca soube; quando me dei conta disso, anos atrás, veio logo um pensamento: e se não precisássemos nos alimentar para viver? seria mais fácil?

Parecia que tudo o que eu comia não era bom; que escolher e entender sobre alimentação eram coisas bastante difíceis. Eu entendia que comer bem era fundamental para uma boa saúde. Revendo minha história, buscava um caminho que valesse a pena seguir.

Fui aquela criança que não comia “nada”. Magrinha e muitas vezes doente, lembro que gostava de arroz, gema mole com pão, banana e doces. Até colheradas de açúcar puro eu comia. No pré, uma “tia” me enfiava goela abaixo ovo cozido e feijão na hora do almoço. Talvez nunca me esqueça do quão desagradável era ser pressionada a engolir duas coisas que até hoje eu não gosto de comer.

Minha mãe se preocupava, tentou várias coisas: comprou uma centrífuga para fazer suco de cenoura. O bagaço engrossava o molho de tomate. Também colocava água de beterraba na gelatina.

Massas, pão, bolacha, gemada, esfiha, sorvete… era pra isso que eu dava atenção. Era bem gordinha entre 8 e 14 anos. Depois fui emagrecendo naturalmente: tomei gosto por caminhar, quando comecei a trabalhar aos 15 perdi mais uns quilos.

Por conta própria, nessa época, deixei de lado refrigerantes e embutidos. Percebia que faziam mal.

image

Passei por oscilações de peso, mesmo que sutis. Atividade física? A partir dos 20 anos, fiz de tudo um pouco: hidroginástica, ioga, tênis, boxe, academia, dança, curves, kung fu… mas nada além de seis meses. A prioridade foi sempre trabalhar e estudar. O corpo e a saúde ficavam em segundo plano.

Engordava e emagrecia sem muito controle. Os doces, como sempre, eram muito presentes, mesmo que eu tentasse incluir alimentos saudáveis. Cereais, biscoitos integrais, ovomaltine, yakult e leites de soja me ludibriavam: ué, não fazem bem à saúde? — pois é, como essas comidinhas cheias de açúcar nos enganam…

Um outro elemento entra com força: cafeína. Expresso, capuccino ou chá mate — com algum doce por perto — faziam a dor de cabeça ir embora e davam energia pra enfrentar as aulas.

Doentinha quando criança, tinha rinite, amídalas inflamadas, pneumonia, sinusite… tudo tratado com antibiótico, xarope, rinosoro. Resultado: sistema imunológico bem fraco. Depois dos 20, vieram enxaqueca, gastrite, alergias de pele, acne, varizes, micose, bruxismo… Foi quando me enchi dos consultórios tradicionais e procurei acupuntura, iridologia, homeopatia. Parei com carne, salvo peixe. Mas ainda tinha tanto a melhorar. Eu procurava, procurava…

A história é longa. Por ora, com a gravidez e a vida com o Francisco, a minha afinidade com as terapias alternativas só aumenta — porque buscam ver o indivíduo por completo, dão mais valor ao processo do que ao resultado, promovem mudanças de atitude.

Além disso, não quero que o Francisco viva o que eu vivi. Que a minha experiência sirva de aprendizado para mim mesma como mãe, ao menos para guiá-lo em seus primeiros passos.

Por fim, ainda não sei comer; mas que eu possa sempre aprender a comer melhor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s